3 Ecos da Falésia: O LADO B

quarta-feira, setembro 26, 2007

O LADO B



Os protestos das Câmaras Municipais de Palmela, Setúbal e Sesimbra, relativamente à decisão do ICNB de permitir a duplicação do volume de extracção das pedreiras do Outão (de 18.000.000 para 36.000.000 de m3 de massa mineral, até ao ano de 2044), não estão a levar em linha de conta o outro lado da questão:
Os benefícios que a Secil traz para a área paisagística local, facto facilmente comprovado pelas imagens que a SIC transmitiu ontem à noite.
.
Em primeiro lugar, os rebentamentos e consequentes extracções são efectuados com o maior respeito pelo visual da zona em questão, sendo patente a preocupação com a estética final.
Aquilo é tratado de modo a ficar com a aparência de ruínas gregas.
Anfiteatros onde tudo foi pensado, acústica incluída. Diz quem por lá passa que, se deixarmos caír uma moeda de 1 cêntimo no extremo duma área circular em baixo, o som é escutado com a maior clareza no extremo oposto da bancada mais alta.
Excelente, portanto, para o incremento do turismo local.
.
Em segundo lugar, quanto mais as pedreiras se estenderem, mais diminui a área com risco de incêndio. Consequentemente, menos despesa dos municípios com bombeiros, respectivos carros, camiões cisterna, mangueiras, capacetes, machadinhas e trapalhadas quejandas.
Quando toda aquela área verde for substituída por uma bela mancha branca, os habitantes dos locais em volta passarão a deixar de ser incomodados pelo insuportável som de pássaros a chilrear e pelas sirenes dos bombeiros (que dão cabo dos nervos a qualquer mortal).
Se bem que, quanto a estes, o silêncio nunca é garantido já que, eliminados os incêndios florestais, é fatal que irão continuar a arranjar pretexto para nos acordarem em sobressalto, bem a meio da noite.
.
Finalmente, para os praticantes de parapente (ou paraglider, se preferirem), será sempre menos arriscado pousarem em terra firme, em vez de ficarem dramàticamente dependurados numa inoportuna árvore, por capricho de alguma rabanada de vento, caso o motorzinho se avarie.
.
E com isto, I rest my case.
Tenho que meter pés a caminho quanto antes, que a Secil , primeiro que pague é um inferno.
.
.
.
.Lisboa-26-Setembro-2007

12 Comments:

At 4:52 da tarde, Blogger Maria said...

Ouvi mesmo dizer que o primeiro concerto nesse anfiteatro vai ser esta sexta feira, parece que com apenas dois cantores. Mas como eles desafinam tanto, e com medo da pouca assistência, andaram a pagar bilhetes para o pessoal comparecer...
hehehehehehehe

Beijinhos

 
At 5:33 da tarde, Blogger Sininho said...

Maria:
Pois é, as entradas de borla muitas vezes deixam uma casa às moscas...
Deviam levar para lá a Sinfonietta de Lisboa para chamarem público... rsrsrsrsrsrs

Beijoca

 
At 5:46 da tarde, Blogger Maria said...

Hehehehehehehe
És tão gira.....
Para o ano és minha convidada para a abertura da Festa.
Não sei se vai a Sinfonieta, mas algo de muito bom será.

Beijinhos

 
At 5:50 da tarde, Blogger Sininho said...

Obrigada, Maria. Se para o ano eu ainda não andar de muletas, logo se verá...

Beijinho

 
At 8:28 da tarde, Blogger pexito-do-campo said...

olá Sininho
e a "pexitagem" não se mexe nem se manca. estou farto.
Qualquer dia sesimbra é conheçida pela linda mancha branca. sim porque por este andar as praias perdem o interesse

Beijinhos.

P.S- Hoje estou irritado.

 
At 10:06 da tarde, Blogger Gi said...

Arquitectura paisagística da melhor e ainda te queixas. Coisa má linda para ser foografada para a próxima edição do livro "Portugal Visto do Séucil, Ceúcil, Secil não , desculpa, Céu ".

Depois falam no combate à droga, ao "pó branco" e esquecem-se deste que é da mesma cor . Vá-se lá perceber.

Beijo

 
At 12:05 da manhã, Blogger Sininho said...

Pexito-do-campo:
A pexitagem, tal como o resto do país, do que gosta é de quem saiba mandar e fale pouco mas com convicção...
Quem diz não sou eu, são as sondagens...

Abraço

 
At 12:11 da manhã, Blogger Sininho said...

Gi:
Então não é?
Eu bem sabia que os meus argumentos não iriam caír em saco roto.
Da próxima vez que passar lá pela Céucil a tentar receber o meu, vou pedir uns folhetos ilustrados da futura Costa Branca (ex Azul) e mando-tos para distribuíres aí pelo pessoal.
Não tens nada que agradecer...

Beijinho

 
At 9:27 da manhã, Blogger Luis Eme said...

É uma pequena que sejamos sempre subjugados pelo poder económico.

Podiam era parar com as campanhas ambientais... porque com exemplos destes...

Tenho pena que seja tão desolador viver neste país, com muito mais potencialidades para vender turismo que cimento... (turismo sem ser o do golfe e dos hoteis de seis estrelas (ou das que lhe quiserem meter...)

A tua ironia além de nos fazer sorrir, também nos faz pensar, Sininho...

 
At 11:25 da manhã, Blogger poetaeusou . . . said...

*
aumentar pedreiras ?
ou
aumentar buracos ?
hihihi
*
pilipares de gaivotas,
da figueirinha
*

 
At 11:33 da manhã, Blogger Sininho said...

Luís:
Este é o país das "obras" e cuja economia é sustentada por elas.
O que seria das câmaras municipais sem o cimento?
E o que seria dos senhores da Bragaparques, já pensaste?
As "obras" são o altar ante o qual Portugal ajoelha.

Beijinho

 
At 11:52 da manhã, Blogger Sininho said...

Poetaeusou:
Atão tu chamas buracos àqueles socalcos estèticamente tão bem congeminados?
Eu espero, se resolverem fazer o aeroporto em Alcochete, que as rotas aéreas passem por cima daquelas maravilhas ( pena não terem concorrido às 7) para que se ofereça, aos turistas que nos visitam, uma bela panorâmica da região.

Abraço

 

Enviar um comentário

<< Home