3 Ecos da Falésia: É HOJE!

domingo, fevereiro 04, 2007

É HOJE!

Aproveitando, enquanto não surge alguma directiva da União Europeia, que proíba a captura da espécie, vou, pela primeira vez, este ano, dedicar-me a degustar este maravilhoso pitéu.
Não será como em Entre-os-Rios, ou Monção, mas, em Lisboa, também há quem a faça... quase tão bem.
Os que não apreciam, não sabem o que perdem...

TLIM

11 Comments:

At 11:48 da tarde, Blogger Pedro said...

Acreditas, Sininho, que eu nunca provei tal pitéu? Apesar de nortenho nunca tive grande curiosidade em provar essa bicheza. Nem é por repugnância, talvez seja por já haver pitéus suficientes a tirarem-me do sério e darem-me quilos a mais...

 
At 12:49 da manhã, Blogger a.leitão said...

Sininho,
Há um pequeno segredo, que lhe vou revelar, que torna a lampreia no Douro e Minho muito melhor e que nunca conseguirá fora desta região.
O segredo está na água onde a lampreia sobrevive nos 2 ou 3 dias antes do prato. Uma água calcária não ajuda.
Qualquer dia, com paciência, ainda farei um post explicando as razões.

Quanto ao comentário do Pedro, ele tem razão sobretudo porque muito pouca gente sabe preparar uma lampreia, apesar de não ser nada de especial. É a coisa mais simples do mundo.
Há que ter apenas 2 cuidados a água, como já referi, e a limpeza da "bicha". Como deve calcular não estou a ver os restaurantes a "perder" 30 ou 40 minutos a fazê-lo. Já deixei muita lampreia no prato pelas razões apontadas.

 
At 2:12 da manhã, Blogger Maria said...

Ai Sininho, olha a esta hora o que tu foste fazer...
Estou a salivar...
Um dia destes lá terei que ir para os lados da Alameda das Linhas de Torrres comer tal pitéu... com a malguinha a acompanhar...
Também o posso fazer para os lados da Av. da Igreja, e fico-me entre estas 2 hipóteses, pelas razões apontadas por a. leitão...
Que delícia!

 
At 1:57 da tarde, Blogger Sininho said...

Pedro:
Ora aí está.
Dá Deus nozes a quem não tem dentes.
Eu, cá por terras "mouriscas", tenho de me contentar com a confecção, bastante boa - mas não "super" - da dita bicharoca.
É a vida...

 
At 2:12 da tarde, Blogger Sininho said...

A.Leitão:
Quem sabe, sabe...
Lampreia, em casa, acho que nunca irei fazer.
Assim como há pratos de que só gosto, se feitos em casa, existem outros que deixo para serem comidos, apenas, em restaurante.
Agora, quanto aos "segredos", é, sempre, bom sabê-los.
Vou esperar pelo post.

 
At 2:19 da tarde, Blogger Sininho said...

Maria:
"A Tasca do João", no Lumiar, ou o "Novo Rio", em Alvalade, são dois dos meus favoritos, nesta época do ano.
As malguinhas, sempre, com o "verde" tinto...
Ai, ai, depois a balança é que se queixa...
Beijinho

 
At 11:05 da tarde, Blogger Maria said...

Pronto, está a publicidade feita...
Beijo

 
At 9:23 da tarde, Blogger Paula Raposo said...

Lampreia??!! Um dia deste provo. Sempre me fez confusão olhar para o repasto, mas, hei-de ultrapassar-me um dia. Como com os caracóis. Foi uma vitória minha sobre mim. A lampreia é a próxima. Tenho que somar vitórias para perceber que ainda vivo!

 
At 12:26 da manhã, Blogger Sininho said...

Paula:
O gosto pela lampreia, veio com a idade...
Quando eu era jovenzinha e via o meu pai deliciar-se a comê-la, quase ficava enjoada.
Hoje, é, seguramente, um dos pratos que mais aprecio.
Relativamente aos caracois, também levou o seu tempo, devo confessar.
Por isso...toca a experimentar a bicheza, que é a época dela e não dura muito.
Beijinhos

 
At 12:05 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Ho!ho! mas que bom que é a lampreia no prato, tou de acordo, um bom pitéu, mas comido em nuestra casita, assim sim,
jinhos a todos
Mi

 
At 2:13 da tarde, Blogger Sininho said...

Anónimo das 12.05 PM:
Pela exclamação inicial, tão característica de um "Pai Natal", sempre num virote, de um lado para o outro, talvez se explique a nostalgia por comidinha caseira...
Aproveite a época e desforre-se na lampreia, que ela não está para ficar...

 

Enviar um comentário

<< Home